POEMA

 

Longe da cidade:

braços decepados,

olhos vasados,

perdido,

perdido.

 

É outro o caminho,

é outro o destino.

Teu olhar ferido

jamais saberá

do caminho seguido...

 

A vereda nova

outros a talharam

enquanto dormias,

lagarto pintado

que ninguém pintou.

 

E quando acordaste

sem olhos nem mãos,

estavas perdido.

 

João Fonseca Amaral

 

 

Percurso pela poesia e pela pintura de nomes que em Viseu nasceram ou viveram uma parte das suas vidas, O Regresso à Condição junta em livro e em exposição alguns dos mais proeminentes criadores do distrito e região de Viseu.

Geografia do pensamento, de emoções e de linguagens que o disseminam, O Regresso à Condição é, simultaneamente, produção e reprodução de uma identidade cultural fortemente eivada de experiências e influências polifacetadas de universalismo.

apresentação

menu autores

imprimir

Galeri@ ispV

 

 

João Fonseca Amaral (Viseu, 1928-Queluz, 1992).

Poeta contido e pouco fecundo com lugar marcado na literatura moçambicana, a sua obra atrai pelo adolescentismo e pela visível influência de Walt Whitman: "Não mais, / na Noite / me venham passos mendigos / alvoraçar / que eu hoje só desejo / boca - estandarte / para gritar." (Poemas).