RÁDIO POLITÉCNICO

 

No início de mais um ano lectivo, Rádio Politécnico dialogou com o Presidente do ISPV, João Pedro de Barros. Millenium salienta as linhas principais das ideias expressas:

"O crescimento do Politécnico viseense foi no ano lectivo que agora arranca de cerca de 1500 alunos", disse, congratulando-se naturalmente com este boom numa altura em que outros estabelecimentos de ensino superior se debatem com alguma falta de alunos. Nas várias áreas de formação (todos os cursos conferem o grau de licenciatura) o ISPV, único estabelecimento de ensino superior público do distrito de Viseu, conta já com cerca de 7000 alunos.

Segundo João Pedro de Barros, a qualidade do ensino ministrado nas unidades orgânicas que constituem o Politécnico de Viseu (Educação, Tecnologia e Agrária) "funciona como incentivo para que os candidatos ao ensino superior tenham já o ISPV como primeira escolha". Acrescenta que tal advém da boa imagem granjeada a nível nacional pela instituição. A qualidade das infra-estruturas existentes e em vias de execução/acabamento também têm "peso", na opinião do Presidente do ISPV.

Ainda relativamente à qualidade, o Presidente pensa que ela "é uma chancela de garantia para quem demanda o Politécnico viseense" constituindo "a qualificação do corpo docente, sempre na busca das pós-graduações, seja em Portugal ou no estrangeiro, uma forte arma contra o insucesso escolar.

Durante a conversa com o jornalista, o Presidente do Politécnico revelou que continuam a decorrer as negociações visando a construção das instalações da Escola Superior Agrária. Entretanto, já se iniciaram as obras dos Serviços Centrais do ISPV no campus politécnico de Repeses, orçadas em mais de 700 mil contos. Este importante equipamento estará pronto em Outubro de 2000.

Ainda no que respeita à Agrária, João Pedro de Barros refere que já existe um protocolo pronto a rubricar com o Lar de Santo António, tendo como base um "acordo de cavalheiros". O projecto da Agrária, salienta o Presidente do Politécnico "está nas mãos da Faculdades de Arquitectura do Porto e envolve um montante de 300 mil contos. A escola propriamente dita será implantada paredes meias com o campus politécnico".

De resto, "o mesmo sucede com o quadro negro, ou seja, o terreno para experiências agrícolas".

 

 

Emissão de 5 de Outubro de 1999

José Alberto

Técnico-Adjunto Especialista de 1Ş Classe

ISPV-Relações Públicas

SUMÁRIO