VISITA EXPLORATÓRIA AO WYE COLLEGE

 

Paula Correia *

Vitor Martinho **

 

1 - Introdução

 

No seguimento de um conjunto de informações que diariamente chega aos nossos gabinetes tivemos conhecimento da existência de um convénio de cooperação entre o ICCTI (Instituto de Cooperação Científica e Tecnológica Internacional) do Ministério da Ciência e Tecnologia e a British Council, para a realização de visitas exploratórias por docentes e investigadores de Portugal e do Reino Unido. Decidimos, então, aproveitar esta iniciativa, pelo que, iniciámos contactos com o Wye College da Universidade de Londres, onde já tínhamos alguns conhecimentos, para organizarmos uma visita exploratória e conhecermos "in loco" a realidade desta Instituição no domínio científico e pedagógico nas áreas da Economia e das Tecnologias Agro-Alimentares, Rurais e Regionais. Estes contactos foram realizados junto do professor Derek Ray que desde a primeira hora se disponibilizou para nos receber com muito agrado. Feitos os contactos concorremos às bolsas do referido convénio e acertámos a visita com êxito na semana de 20 a 27 de Novembro de 1999.

 

2 - A cidade de Wye

 

Wye é uma cidade pequena localizada no coração da zona rural de Kent numa área de beleza natural excelente e com acesso fácil a Londres e Paris. É uma zona perto do mar e com uma vasta gama de comércios e serviços indispensáveis ao dia a dia, nomeadamente lojas, cafés, restaurantes, agências postais e bancos. É servida por uma rede de transportes públicos para Ashford Internacional e Canterbury, tendo um serviço ferroviário regular para Londres.

Esta zona é famosa pela sua cerveja, pelo vinho, pelas paisagens e pela juventude da população, a qual contempla um local de interesse científico especial e uma reserva de natureza nacional. O "English Nature", o "Council for the Protection of Rural England", o "Kent Farming and Wildlife Advisory Group" e o "Kentish Stour Countryside Project" são instituições que têm escritórios regionais em Wye.

Como locais de interesse pode-se visitar Sissinghurst Castle, Penshurst Place, Chartwell House e os castelos de Dover e Leeds. Há algumas galerias e centros de artes visuais, contemporâneas e tradicionais.

 

3 - O Wye College da Universidade de Londres

 

3.1 - As instalações

Figura 1 –Um dos pátios do Wye College

 

O Wye College é uma das instituições mais velhas da Universidade de Londres. Os edifícios datam de 1447, quando o Cardeal de Kempe, depois Arcebispo de Canterbury, fundou esta Instituição para padres. O Wye College combina pátios elegantes e arquitectura medieval com modernos recursos científicos e pedagógicos (Figura 1 e Figura 2).

Esta Instituição enfrenta grandes desafios implementando, por isso, fortes mudanças tecnológicas, sociais e educacionais, com altos níveis de investimento em novos recursos para o ensino e em instalações pedagógicas, para atrair as pessoas mais preparadas e qualificadas para as áreas de interesse do Wye College.

Figura 2 – Mapa do Campus do Wye College

 

Tem bons serviços de residências com aproximada-mente 200 quartos de estudo confortáveis, disponíveis para estudantes universitários em dois locais principais, nas instalações principais do Wye College e em Withersdane Hall (Figura 3).

Figura 3 – Residência universitária de Withersdane Hall.

As residências têm pequenas cozinhas e serviços para a lavagem das roupas. Os serviços de cantina estão equipados para servirem diariamente refeições normais, de dieta e vegetarianas. Têm, também, bons serviços de aconselhamento e acompanhamento de estudantes com problemas socais e psicológicos.

A propriedade rural com cerca de 350 hectares oferece excelentes condições para o desenvolvimento de trabalhos nas áreas da agricultura, da horticultura e dos estudos de ambiente (Figura 4).

Figura 4 – Uma das áreas agrícolas do Wye College

3.2- O ensino e a investigação

 

O Wye College da Universidade de Londres tem sido um centro educacional de excelência desde 1447 (Figura 5).

Figura 5 - Entrada principal do Wye College.

Em 1998, o Wye College foi considerado como tendo um elevado nível de qualidade pedagógica, com um ambiente de aprendizagem excelente e uma óptima relação entre docentes, funcionários e alunos (Prescott, J., 1999).

Tem uma reputação internacional por ensinar e pesquisar em Ciências Biológicas, em Ambiente, em Estudos Equinos, em Horticultura, em Agricultura, em "Business" e em "Marketing" (Quadro 1).

 

Quadro 1 - Áreas de ensino, de investigação e cursos básico ministrados no Wye College.

Área de ensino e de investigação:

Curso:

- Ciências Biológicas

- Ciência Animal

- Biologia

- Biologia Ambiental

- Ciência Ambiental

- Ciência Vegetal

- "Marketing e Business"

- "Business" e Ambiente

- "Business"

- "Marketing" Agro-Alimentar

- Horticultura

- Horticultura

- Agricultura

- Gestão e "Business" Agrícola

- Agricultura

- Agricultura Animal

- Agricultura e Ambiente

- Ambiente

- Gestão Rural

- Estudos do Ambiente Rural

- Desenv. Ambiental sustentável

- Equinos

- Gestão e "Business" dos Equinos

- Ciência Equina

Os programas dos cursos ministrados nesta Instituição abordam assuntos contemporâneos que dão uma qualificação invejável aos alunos, reconhecida pelo mundo inteiro.

O ensino em cada curso é efectuado com aulas normais, que são complementadas com seminários, viagens de campo, trabalhos práticos, projectos de pesquisa, trabalhos de estudo de casos concretos, tarefas de grupo, conferências e visitas no estrangeiro.

Há dez anos atrás, o Wye College lançou o ensino à distância, graus de "Postgraduate", uma iniciativa inovadora e altamente próspera, que conjuga a qualidade dos programas da Universidade de Londres com a sua capacidade única de avaliar. Recentemente, o Wye College adoptou um novo processo de aprendizagem mais flexível que combina o ensino à distância com estudos a tempo integral em Wye. Isto permite aos estudantes obterem graus de "Postgraduate" cumprindo os seus compromissos pessoais e passando pouco tempo fora de casa.

Os programas dos graus de "Postgraduate" no regime de ensino à distância do Wye College permitem obter qualificações ao nível do Desenvolvimento Agrícola e Rural, do Ambiente e da Indústria Agro-Alimentar.

Em termos resumidos podemos referir que o ensino à distância permite o seguinte:

Obter elevados níveis de qualificações profissionais;

Obter um grau conferido pela Universidade de Londres a partir do próprio país de origem;

Obter um grau com as características referidas a baixo custo;

Ter acesso a graus de "Master", "Postgraduate Diploma", ou "Affiliated level".

Os estudantes de "Master" têm de completar sete cursos, os estudantes para o "Postgraduate Diploma" quatro e os de "Affiliated level" normalmente um, com oportunidades de poderem efectuar transferências entre níveis. Cada curso tem um período de estudos de 35 semanas incluindo um período de revisão e preparação para o exame final. Os cursos são concebidos para que exijam uma disponibilidade de sete a oito horas por semana, em média.

Cada curso tem um dossier com um conjunto de elementos indispensáveis para satisfazerem as exigências de estudo, tais como:

Um guia de estudo detalhado, preparado por peritos qualificados no assunto;

Textos de leitura tirados de uma gama bastante vasta de fontes;

Material adicional e complementar, como vídeos, cassetes e software de computadores.

Todos os materiais são preparados sob a coordenação de uma direcção académica especialista dos Programas Externos do Wye.

A avaliação em cada curso é efectuada por um exame final escrito (com excepção da dissertação da parte II dos "Master"). Esta avaliação é feita nos países de residência dos estudantes em Instituições reconhecidas pela Universidade de Londres.

O "Affiliated Student Scheme" permite:

Obter um curso para actualização profissional e/ou de interesse pessoal;

Experimentar os programas de ensino à distância antes de se inscreverem nos "Master" e nos "Postgraduate Diploma";

Satisfazer exigências do Wye College para preparar a entrada no "Postgraduate Diploma" e posterior transferência para os "Master".

Os programas de ensino à distância implicam que os estudantes tenham um alto nível de domínio da língua inglesa e uma grande autodisciplina no estudo à distância. A qualidade do ensino à distância do Wye College foi reconhecido em 1994 aquando da atribuição inaugural dos prémios da Rainha para as Instituições que praticam ensino de alta qualidade.

O sistema misto permite aos estudantes escolherem onde e como pretendem estudar em função das suas circunstâncias pessoais. Possibilitando, portanto, aos estudantes combinarem as vantagens do ensino à distância com o prazer de contactar face-a-face com professores em aulas normais.

Este sistema é então:

O sistema misto permite obter graus de "Master" nas seguintes áreas:

Para cada curso a selecção das disciplinas é feita de entre o leque de disciplinas disponível para os "Masters" e para o ensino à distância. A avaliação é efectuada no final de cada curso. A escolha das disciplinas terá de ser efectuada de modo a evitar a sobreposição de matérias e assuntos. O período necessário para obter cada grau varia entre estudantes e em função da combinação dos cursos seleccionados. Para os graus misturados que começam em Wye o tempo mínimo é de 15 meses, para os estudantes que começam com o ensino à distância será de dois anos ou mais.

Esta Instituição tem, também, um programa de formação contínua que prevê uma variedade de pequenos cursos que cobrem áreas como Gestão e Planificação de Projectos, Desenvolvimento Social, Gestão da Terra e da Água, Sistemas de Informação Geográfica e Informática.

Todos os departamentos oferecem excelentes oportunidades de investigação para a obtenção de graus de PhD (Doctor of Philosophy) e de MPhil (Master of Philosophy). Para a obtenção destes graus a avaliação é feita através de uma tese e de um exame oral. Todos os candidatos se registam em primeiro lugar no MPhil e depois de um ano académico podem solicitar uma transferência de inscrição para o PhD. As regras seguidas por esta Instituição na avaliação e desenvolvimento dos trabalhos de investigação seguem as recomendações dos "Principals" e "Committee of Vice-Chancellors". Os prazos para a obtenção dos graus académicos são os seguintes:

-PhD em três anos a tempo integral;

-MPhil em dois anos a tempo integral;

-Alternative Pathways: consiste na possibilidade de os estudantes do Wye College realizarem parte dos seus trabalhos de investigação em certas Instituições estrangeiras, sendo o oposto também praticável. No caso dos trabalhadores estudantes a duração dos cursos é de três anos para o MPhil e de quatro anos para o PhD.

A "Postgraduate Students Association" que é parte da "Students Union" organiza eventos sociais e actividades desportivas que se estendem ao longo do ano. Os alunos em cursos de pós-graduação têm um centro próprio onde podem conviver e trocar opiniões.

A investigação no Departamento de Agricultura e Horticultura cobre uma gama variada de assuntos relativos a sistemas de agricultura sustentável e produção animal em países temperados e tropicais e às inter-relações entre economias rurais, ambiente e recursos da zona rural.

A investigação no Departamento de Ambiente envolve o estudo da biodiversidade, avaliação paisagística, restauração da paisagem, gestão da terra e da água, e estratégias para a gestão da zona rural. Os trabalhos de investigação são desenvolvidos ao nível das alterações ambientais, tendo em conta aspectos locais, nacionais e globais e ao nível das implicações das políticas agro-ambientais.

O departamento de ciências biológicas desenvolve trabalhos de investigação na área da biologia molecular. Os temas principais de investigação são: desenvolvimento biológico, patologia, genética, fisiologia e biofísica das plantas; microbiologia e ciência do ambiente e ciência animal e equina.

O Departamento de Economia Agrícola, "Business" e Gestão é constituido por quatro unidades de investigação fundamentais que são as seguintes: política agrícola, desenvolvimento agrícola, "farm business" e gestão agro-alimentar.

 

3.3- Algumas considerações

 

A comunidade estudantil, nesta Instituição, tem uma dimensão de 800 alunos, há aproximadamente 150 em graus de "Postgraduate" que desenvolvem pesquisas que geralmente conduzem a graus de Doutoramento e um número igual que seguem Mestrados. Além destes alunos muitos outros passam esporadicamente pelo Wye College para frequentarem cursos de pequena duração, outros frequentam os programas de ensino à distância e outros estão integrados nos programas de intercâmbio entre instituições (Programa Sócrates/Erasmus e Programa Leonardo da Vinci).

Quase todos os docentes estão envolvidos em trabalhos de investigação, e muitos têm experiência nos sectores mais importantes da actividade. Os docentes colaboram, ainda, com mais de 150 organizações regionais, nacionais e internacionais.

Esta Instituição é indubitavelmente internacional no seu pensamento, isto porque tem projectos conjuntos com cerca de 70 Instituições inclusive o México, Grécia, África Meridional, Nepal, Canadá, Sri Lanka, Tanzânia, Brasil, Bulgária, e Paquistão, só para mencionar alguns. Os estudantes universitários do ensino normal vêm de 60 países diferentes. O ensino à distância, a outra modalidade de ensino, tem estudantes de 90 países. São, também, anfitriões de numerosos visitantes internacionais.

Em Agosto do ano 2000 o Wye College ir-se-á juntar ao "Imperial College of Science, Technology and Medicine" que também é parte integrante da Universidade de Londres e uma das Instituições de Educação mais prestigiadas na Europa. A fusão inspirará novos desenvolvimentos académicos e futuramente possibilitará o melhoramento das instalações de estudantes no campus de Wye.

Foram feitas algumas pesquisas sobre os estudantes que se formaram desde os anos setenta e verificou-se que 74% entraram directamente em emprego, 16% em trabalhos de investigação e só cerca de 10% não estão empregados. Verificou-se, ainda, que 85% dos alunos estavam em empregos relacionados com as suas formações iniciais. Constatou-se, também, que a entrada no emprego é realizada com alguma rapidez, dado que seis meses depois da sua formação em 1996, 71% de nossos estudantes estavam em emprego e 9% em trabalhos de investigação (Fletcher, J., 1999).

 

4 - O programa da visita:

Iniciámos a nossa viagem com a partida às 13h30m do aeroporto de Lisboa na companhia aérea britânica GO e chegámos ao aeroporto de Stansted em Inglaterra às 16h30m. Apanhámos o autocarro do aeroporto até à cidade de Londres e daqui o comboio até Wye onde chegámos às 22h30m. Ficámos numa residência de estudantes designado Withersdane Hall com condições bastante boas. No Domingo recebemos o professor Derek Ray às 11 horas que após as apresentações nos convidou a irmos com ele até Canterbury, sua cidade de residência. Nesta cidade tivemos oportunidade de visitar em conjunto os locais mais típicos (Figura 6)

Figura 6 – Um dos locais típicos

Às cinco horas fomos tomar chá a casa do nosso anfitrião e cerca das 19h30m chegámos a Wye onde fomos assistir a cânticos religiosos numa Igreja Protestante. Na Segunda-feira tomámos o pequeno almoço às 8 horas, tal como nos restantes dias. Após o pequeno almoço tivemos um encontro com o professor Derek Ray onde trocámos impressões sobre o ensino à distância, sobre o qual já dedicámos algumas palavras anteriormente. Às 10 horas tivemos oportunidade de assistir a um seminário sobre Políticas Agrárias na Noruega. À tarde tivemos um encontro com o professor Andreas Schneider que se encontra a fazer a tese de Doutoramento na análise de Políticas Agrárias da União Europeia, através de modelos econométricos em termos macro-económicos. O Eng. Vitor Martinho discutiu pontos de vista com ele e referiu que desenvolveu a sua tese de Mestrado no mesmo assunto, mas ao nível das explorações agrárias e através de modelos de programação mista. O Dr. Andreas Schneider ficou muito entusiasmado e interessado em ler esta tese, pelo que, o Eng. Vitor Martinho se comprometeu em enviá-la assim que possível. Nesta tarde tivemos, ainda, uma reunião com a Drª Susane Simpson que é a gestora do Departamento de Biologia, a qual nos inteirou acerca dos principais tópicos de investigação, dos docentes envolvidos deste Departamento. Na Terça-feira de manhã contactámos o Doutor Nigel Poole, professor de Economia Agro-Alimentar e com o qual discutimos aspectos relacionados com o comércio internacional de produtos agro-alimentares e sobre o desenvolvimento económico em África, na Índia e no México. Tivemos, também, uma reunião com o professor John Rossister, o qual nos mostrou os laboratórios destinados a investigação e os das aulas teóricas e/ou práticas. Ficámos admirados com tanto material e espaço. Só para realçar, referimos os seguintes aspectos: numa sala havia mais de 5 centrífugas com grande capacidade e termoreguláveis, mais de 15 frigoríficos num só laboratório e 2 microscópios electrónicos (um de varrimento e outro de transmitância). À tarde tivemos a feliz oportunidade de falar com o professor Berkeley Hill, professor de Análise de Políticas Agrárias, com o qual trocámos ideias sobre o rendimento das explorações agrárias na União Europeia, sobre estatísticas agrárias e sobre o desenvolvimento rural e regional da União Europeia. Na Quarta-feira de manhã contactámos com o Doutor Uve Lohmann, professor de Economia Ambiental e trocámos impressões sobre a reforma das políticas agrárias e ambientais na União Europeia, nos Estados Unidos da América e em outros países. Contactámos, ainda, nesta manhã o Doutor J. M. Lopez-Real responsável pelo ensino e investigação de Microbiologia Ambiental, o qual nos referiu os temas de investigação, nomeadamente o uso de microrganismos específicos no tratamento de efluentes da indústria alimentar e apresentou-nos uma aluna portuguesa da Universidade de Biotecnologia do Porto que se encontra a realizar o seu trabalho final de curso ao abrigo do programa Leonardo da Vinci. Na Quarta-feira à tarde contactámos a Drª Suzane Lohmann como responsável pelos programas Erasmus/Socrates e Leonardo da Vinci, no sentido de no futuro podermos proceder, se possível, ao intercâmbio de alunos entre as duas Instituições. Na Quinta-feira de manhã contactámos com o Doutor Alan Rogers, professor do Departamento de Agricultura, Horticultura e Ambiente, com o qual trocámos impressões sobre o desenvolvimento rural e regional na União Europeia e sobre o conflito que se vive na Inglaterra actualmente devido ao alto preço das casas em meios rurais, por um lado, e à necessidade de atrair pessoas para estes meios, por outro. Encontrámo-nos, também, com os professores Charles Ainsworth e Elizabeth Baggs, o primeiro lecciona assuntos relacionados com a Biologia Molecular das plantas e a segunda com a Fertilização dos Solos. O professor Ainsworth tem os seus temas de investigação na área da genética, nomeadamente na identificação e caracterização de genes responsáveis por determinadas funções. A Professora Baggs está envolvida em investigações que relacionam os microrganismos e a fertilização do solo. A Quinta-feira à tarde e a Sexta-feira foram dedicadas à biblioteca (Figura 7)

Figura 7 – Biblioteca do Wye College.

 

A biblioteca é bastante grande e moderna. Possui várias salas com computadores (numa sala há pelo menos 30 computadores) ligados em rede e com base de dados da biblioteca, a maior parte deles estão ligados à "Internet". O Wye College é assinante de uma vasta gama de revistas periódicas e possui uma quantidade significativa de livros. Tem duas salas: uma é o considerado arquivo "morto" onde estão as revistas e os livros mais antigos e a outra é uma zona com os títulos mais actuais com bastante espaço entre as estantes que têm, aproximadamente, dois metros de altura. Foi-nos possível, por isso, consultar algumas revistas e livros relacionados com as áreas das Ciências Agrárias, das Economias e da Gestão (nomeadamente Agro-Alimentares) que achámos interessantes e que pensamos provavelmente num futuro próximo, requisitar para a nossa biblioteca. No Sábado terminou a nossa proveitosa viagem com a partida de Stansted às 10h30m e chegada a Lisboa às 13h30m, na mesma companhia aérea.

 

5- Conclusões:

 

Pensamos que esta visita exploratória foi muito proveitosa, não só em termos pessoais porque tivemos a oportunidade de contactar com outras realidades um pouco diferentes da nossa, mas também porque levámos um pouco do nosso País e da nossa Instituição de forma digna e séria até ao Wye College da Universidade de Londres. Conseguimos, também, contactar com um conjunto de professores e investigadores de excelente qualidade que tiveram a amabilidade, todos eles sem excepção, de se mostrarem interessados em desenvolverem no futuro projectos de investigação conjuntos entre as duas Instituições e de se proceder ao intercâmbio de alunos, o que foi considerado possível em face dos contactos junto da Drª Suzane Lohmann das Relações Internacionais.

Aproveitamos, também, para aqui deixarmos os nossos sentidos e sinceros agradecimentos ao Wye College da Universidade de Londres por nos ter recebido da forma calorosa como o fez, ao ICCTI e à British Council por esta iniciativa e pela comparticipação da viagem, ao Instituto Superior Politécnico de Viseu por nos ter deixado realizar esta iniciativa e muito especialmente à Drª Sónia Silva pela forma incansável como se empenhou nesta iniciativa.

________________

* Prof. Adjunta da ESAV

** Assistente 1º Triénio da ESAV

SUMÁRIO