NOVOS DOUTORAMENTOS

 

Ana Maria Roza de Oliveira Henriques de Oliveira

Tese de Doutoramento sob o tema Processamento de Informação em Bilingues, defendida no dia 4 de Fevereiro de 2000, no Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar (ICBAS)da Universidade do Porto.

Orientadores: Prof. Doutora Liliana de Sousa, ICBAS-U.P.

Co-Orientadora: Prof. Doutora Maria de São Luís Castro, FPCE-U.P.

 

O júri foi constituído por:

 

Presidente: Doutor Alexandre Quintanilha, Professor Catedrático do Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar, em representação do Reitor da Universidade do Porto;

 

Vogais:

- Doutor Alexandre Lemos de Castro Caldas, Professor Catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa;

- Doutora Maria Isabel Hub de Faria, Professora Catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa;

- Doutora Maria de São Luís Vasconcelos Fonseca Castro Schoner, Professora Associada da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto;

- Doutor Custódio José Amorim Leite Rodrigues, Professor Catedrático do Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar da Universidade do Porto;

- Doutora Liliana Maria de carvalho e Sousa, Professora Auxiliar do Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar da Universidade do Porto.

 

Resumo

O bilinguismo é, cada vez mais, entendido como característico dos povos e por essa razão o seu estudo tem sofrido um interesse crescente. Várias áreas de investigação científica têm abordado o modo como o bilingue funciona para aplicar esses conhecimentos ao ensino/aprendizagem das línguas em situação formal e informal ou, de um modo mais alargado, à comunicação. Neste trabalho abordaram-se alguns aspectos do processamento da informação em bilingues para os quais se planearam alguns estudos. Estes estudos constaram de várias tarefas (completar palavras, fluência verbal, Stroop palavra e cor e audição dicótica) que foram realizadas por sujeitos monolingues de português e de francês e bilingues. Estes últimos realizaram provas originais, em português e em francês, como os monolingues, e mistas. Os resultados obtidos mostram que, de um modo geral, os bilingues estudados: (1) não apresentam, para a maioria das provas, diferenças em relação aos monolingues, nomeadamente, em termos de lateralização para o processamento dos estímulos verbais. Não se encontraram, de um modo geral, diferenças de desempenho dos bilingues para as provas monolingues nem entre o francês e o português nas provas mistas. No entanto, quando essas diferenças aparecem, vão no sentido de que, embora sejam bilingues equilibrados, a língua francesa seja dominante; (2) acedem a dois léxicos em simultâneo, o que se manifestou benéfico na realização de algumas provas, nomeadamente, na de completar palavras. Os resultados encontrados podem dar contributos para a Neuropsicologia com reflexos a nível clínico e para o ensino/aprendizagem das línguas. Relativamente a este último aspecto, o modo diferenciado de funcionar do bilingue pode ajudar a reflectir sobre o impacto que têm diferentes perfis de professor desde o que ensina a sua língua materna ao que ensina a sua segunda língua assim como pode ter benefícios ao nível das capacidades cognitivas necessárias à realização de algumas tarefas. Assim, estes aspectos deveriam conduzir a um maior investimento na criação de condições para que cada vez mais crianças pudessem tornar-se bilingues.

Millenium congratula-se com este doutoramento, enriquecedor em termos não só pessoais como sobretudo institucionais, e cumprimenta a nova doutora, desejando-lhe a continuação de uma carreira de prestígio ao serviço do país.

SUMÁRIO