MILÃO

 

VASCO OLIVEIRA E CUNHA

Vice-Presidente do ISPV

 

 

Famosa pela sua igreja - basílica (Duomo), a terceira maior do mundo, depois da de S. Pedro, no Vaticano, e da Catedral de Sevilha, pelo Teatro alla Scalla, inaugurado em 1778 com "L'Europa Riconosciuta", de Berlini, e conhecida pela maioria dos portugueses amantes do desporto através dos êxitos do "calcio" nacional e internacional do seu A. C. Milan, a capital lombarda é uma grande metrópole industrial, comercial e cultural de três milhões e meio de habitantes localizada na zona mais rica de Itália, uma extensa planície que a sul da cidade se caracteriza pelos seus extensos arrozais e prados irrigados, e a norte pelo progressivo enrugamento do solo em direcção aos Alpes.

Estrategicamente situada numa zona de fáceis comunicações terrestres entre o sul de França e os sucessivos impérios dos Balcãs e da planície húngara, e com o Mar Mediterrâneo bem perto, a cidade foi ricamente matizada na sua arquitectura, na sua arte e na sua paisagem por culturas sucessivas, sendo de visita obrigatória, entre outros lugares e monumentos, para quem queira ter da cidade um quadro harmónico do seu património, as Piazzas della Scala, dei Duomo, dei Mercanti; os Palazzos de la Ragione, Mezzanotte, dei Senato; as Igrejas de San Fedele, Santa Maria delle Grazia; a Basílica de Sant'Ambrogio; as Abadias Chiaravalle e Mirasole; o Parque Sempione.

O castelo Sforza é um dos outros símbolos de Milão. Construído na segunda metade do século XIV e destruído durante a República Ambrosiana, a sua reconstrução ficou completa já no inicio da segunda metade do século XV, tomando-se o castelo uma residência luxuosa, com um património artístico que deu origem aos seus três museus actuais: o de Arte Antiga, o de Arte Aplicada e o de Arqueologia e Numismática.

Os Museus Poldi - Pezzolí e dei Navigli, os Museus Cívicos de História Contemporânea, de História Natural e de Ciência e de Tecnologia e a Galeria de Arte Moderna constituem igualmente uma riqueza digna de observação cuidada.

Das instituições de ensino superior da cidade destacamos três:

. Università Commerciale de Luigi Bocconi, fundada em 1902 e primeira instituição italiana a conceder graus em Economia, oferece actualmente seis cursos graduados, três programas de mestrado e um de doutoramento a mais de 12 000 alunos. Com um corpo docente de mais de 550 professores, a reputação internacional desta universidade tem sido construída através de redes de intercâmbio de estudantes estabelecidas com mais de cinquenta escolas de todo o mundo; do Programa de Professores - Visitantes envolvendo investigadores de todos os continentes. Entre outros.

. A Università Cattolica deI Sacro Cuore é a maior universidade privada italiana. Fundada em 1923, distribui-se por Milão, Piacenza, Brescia e Roma, sendo actualmente constituída por 10 faculdades, 70 institutos, 11 departamentos, 2 escolas profissionais, 45 centros de investigação interdisciplinar. Cursos existentes: 21 de licenciatura, 41 de especialização post-graduada e de mestrado.

Especial referência deverá ser dada às actividades de investigação cientifica interdisciplinar, à formação contínua, aos seus comités de coordenação das relações com o mundo industrial, à sua relação com universidades de todo o mundo, incluindo programas de cooperação com os países do leste europeu.

O "Politecnico di Milano", universidade pública criada em 1863, com mais de 27.000 alunos em 1995, é a mais importante de todas as instituições italianas de formação de engenheiros.

As suas fortes relações com a indústria e o seu envolvimento em 41 Pics são outras das linhas de força da política seguida pela instituição.

 

Fontes:

 

* "MILAN: History art, monuments". ltatcards: Bologna, s/ data.

* "The Cultures ot Education". European Association for International Education: Amesterdam 1995.

* "La Formazione in Ingegneria al POLITECNICO DI MILANO": Anno Accademico 1995/96. Edição do PM.

* "Conoscere la Boconi". Edição da Universitá Commerciale Luigi Bocconi, Milano 1995.

 

SUMÁRIO