EDITORIAL

Valerá a pena, neste final de século e de milénio que está aí à porta, fazer uma reavaliação das realidades actuais e futuras do ISPV; reflectir os comos e os porquês do seu crescimento material contínuo da ordem de muitos milhares de alunos e de centenas de professores que animam diariamente as ruas e a vida de Viseu e Lamego num tempo nacional de demografia estudantil emagrecida, e do nascimento de novas unidades orgânicas de formação diversificada; olhar o rosto pujante e belo de um Campus Politécnico em permanente transformação, amanhã os novíssimos Serviços Centrais, depois, os da ESE e os da ESA; contemplar os perfis magníficos de potencialidades da Quinta da Alagoa. As faces mais visíveis da instituição.

Valerá igualmente a pena transpor as portas desta realidade; falar com quem aqui trabalha; conhecer os projectos culturais próximos do cultivo da língua portuguesa por homens e mulheres da região, do Rei Eloquente até à actualidade; analisar o peso crescente da sua afirmação internacional pela via de uma cooperação académica sem fronteiras, abrindo a docentes, a estudantes e a funcionários a possibilidade de enriquecimento na diversidade multicultural; ter os primeiros contactos com o programa de um congresso de reputação europeia que acontecerá em Viseu em Maio de 2001; conhecer, enfim, a reafirmação do papel crescente do ISPV, em cada novo ciclo da sua vida, no crescimento das duas maiores cidades da região.

Millenium deixa hoje estas propostas aos seus leitores. Reflicta quem queira. Quem possa!

SUMÁRIO