Rui Torres de Almeida*

 

Espumas

Quem me dera andar no mar

Ter alvas asas bem longas,

A espuma branca beijar

Poisar e bailar nas ondas.

 

Ter o perfil da gaivota,

Ser livre e poder morar

Em qualquer ilha remota

Onde vivesse a sonhar

Caminhar pelas areias

De virgens praias douradas,

Ouvir cantar as sereias

Em tardes e madrugadas

 

Mergulhar o pensamento

Num oceano de amor,

Largar as penas ao vento,

Esquecer e calar a dor

 

(Novembro de 1982)

 

* Um homem da Beira

sumário