Rui Torres de Almeida*

 

Poeira de Outono

Conheço três camponesas

Que passam na minha rua

E têm por missão secreta

Levar mil jovens pírá lua.

 

Nos muros do meu quintal

Cautela, rapaziada!

Andam melros espreitando

Desde o raiar da alvorada.

 

Se eu soubesse esculpir,

Se eu soubesse pintura,

Quantas estátuas eu faria,

Quantas telas de ternura.

 

Quantas pedras de granito

Na estrada já percorrida

Teriam formas reais,

Seriam sopros de vida.

Se eu soubesse escrever,

Dar largas à fantasia,

Cem penas não chegariam

Para escrever noite e dia.

 

Quando revolvo, meninas,

Nas cinzas do meu coração,

Só vejo terra queimada

E montanhas de ilusão.

 

Neste quadro sem cores

Desta tela mal pintada,

Vai um pacote de sonhos,

Uma candeia apagada.

 

Minhas asas já não batem,

Estou no fim da minha rua,

Tenho os tamancos cambados,

Não posso poisar na lua.

 

(Setembro de 1981)

 

 

* Um homem da Beira

sumário