MILLENIUM n. 5 - Janeiro de 1997

 

EDITORIAL

No último meio século o quadro europeu da reflexão em torno da questão das relações entre o ensino superior e o desenvolvimento económico e social tem passado por um processo de mutação permanente.

A convicção optimista dos anos cinquenta e sessenta de que uma expansão substancial do ensino superior seria decisiva para o crescimento da sociedade e para a redução das desigualdades, com benefícios para o fortalecimento da ideia democrática da vida, esmoreceu ainda no final da década de sessenta e no início dos anos setenta, quando a ênfase foi colocada na ideia da necessidade da reestruturação do ensino superior, com o objectivo de ele poder ir ao encontro da diversidade de carreiras, de capacidades e de motivações dos estudantes, um posicionamento que reflectia pesadas críticas à expansão que, segundo alguns, só tinha um efeito muito limitado na redução da desigualdade de oportunidades tendo contribuído mesmo para um decréscimo da qualidade da formação.

No final dos anos setenta e no início da década de oitenta a atmosfera geral de crise acerca das implicações no emprego do ensino superior generalizado tornou-se mais moderada e a massificação foi aceite como fenómeno irreversível.

Na nossa década, porém, regressaram as preocupações sobre as relações quantitativas entre o ensino superior e o sector produtivo assistindo-se, simultaneamente, ao aumento da frequência neste nível de ensino e do número de desempregados. Por outro lado, a necessidade do aprofundamento da formação em áreas chave da economia fundamenta a questionação que alguns fazem da massificação.

Outros factores, acelerados no nosso tempo, como a internacionalização da economia e da educação e o ritmo de privatização do ensino superior são de tal modo poderosos que tornam inevitável e desejável que a análise das relações entre o ensino superior e o sector produtivo se intensifique. O espírito do "Livro Branco sobre a Educação e Formação", adoptado pela Comissão Europeia em 29 de Novembro de 1995, é, a este respeito, exemplar.

Apesar do carácter precário do quadro de cooperação entre o ensino superior e o sector produtivo, sempre sujeito às flutuações de realidades socioeconómicas, alguns consensos têm emergido de um debate que não tem sido fácil. De entre eles, a necessidade de:

* uma maior flexibilização da formação de modo a adaptar o seu potencial a áreas consideradas de maior exigência;

* uma menor estandardização curricular;

* criação de currículos europeus comuns para o intercâmbio académico.

 

As sociedades europeias actuais, embora favorecidas quando comparadas com as de outras regiões do mundo, estão imersas em questões muito complexas: o aumento do desemprego e da exclusão social; a secundarização crescente da discussão em torno do aprofundamento do conceito de cidadania e da sua prática; a xenofobia; o racismo ...

Para pôr em prática políticas de formação superior capazes de ajudar na resolução destas questões torna-se decisivo que no debate em causa se consigam consensos mais fundamentais do que os já enunciados, nomeadamente que o ensino superior deverá privilegiar o desenvolvimento de atitudes e a resolução de problemas, mais do que concentrar-se na acumulação de conhecimento, e a preparação dos estudantes para uma aprendizagem permanente, mais do que para o desempenho de funções e de profissões específicas.

Em documentos originários de diferentes associações de instituições académicas tem sido frequentemente afirmada a ideia de que o ensino superior não existe para estar exclusivamente ao serviço da comunidade económica, e que a criatividade e as dimensões cultural e ética, assentes no conhecimento científico, poderão ser fundamentais para impulsionar o desenvolvimento económico e social.

 

FONTES:

*BRENNEN, J., KOGAN, M. and TEICHLER, U. (eds.)

"Higher Education and Work". London and Bristol, Pennsylvania: Jessica Kingsley Publishers, 1996.

*BRENEN, J., LYON, E.S., MCGEEVOR, P.A. and MURRAY, K. "Students, courses and Jobs - The Relationship Between Higher Education and Jobs".London and Bristol, Pennsylvania; Jessica Kingsley Publishers, 1993.

*BURGEN, A. (ed.) "Goals and Purposes of Higher Education in the 21st Century". London and Bristol, Pennsylvania: Jessica Kingsley Publishers, 1996.

*White Paper on Education and Training - Teaching and Learning: Towards the Learning Society". EAIE: Amsterdam, May, 1996.

*TEICHLER, U. and MAIWORM, F. "Transition to Work - The Experiences of Former ERASMUS Students". London and Bristol, Pennsylvania: Jessica Kingsley Publishere, 1994

SUMÁRIO