Editorial

Ainda empolgados e enternecidos com a recente noticia de que o nosso site na Internet (http://www.ipv.pt.millenium) foi escolhido para fazer parte da selecção PNN Top 10% dos melhores da língua portuguesa, prémio atribuído pela PNN Portuguese News NetworkTM, departamento de selecção e promoção dos melhores sites de Língua portuguesa, aqui estamos a publicar mais um número da MILLENIUM, já o 15.

Era uma vez...

Era uma vez um sonho que chegou a ter medo de ser sonho, um desejo a fervilhar na penumbra das consciências, um projecto que teimava em continuar projecto, uma vontade permanecendo adiada. Em verdade, foi assim que tudo começou.

Mas um dia, o sonho sonhou-se, acordou e cumpriu-se, o desejo iluminou-se de realidade, o projecto lançou-se na aventura da sua concretização, a vontade quis ser, e fez-se!

E já lá vão três anos! Pois é, mais alguns meses e a MILLENIUM completará quatro anos de vida. Quatro anos de uma vida, simultaneamente tão curta e tão comprida!... Quatro anos de uma vida como todas as vidas, com momentos agradáveis, alegrias, contentamentos, e outros menos agradáveis, mais apertados e sombrios, também com constrangimentos e aflições. Mas sempre saudáveis, de crescimento e desenvolvimento, como aliás seria de esperar de uma vida jovem e normal.

Do sonho à realização, calcorreou-se o caminho palmo a palmo. Em todo este percurso muito se deve ao Instituto Superior Politécnico de Viseu e à sua Presidência, que possibilitou as condições necessárias à emergência e concretização do projecto, bem como sempre assegurou a própria possibilidade de continuarmos a trilhar o nosso caminho, designadamente dotando a pequena e pobremente apetrechada reprografia, de instalações mais amplas e muito melhor equipadas, de tal modo que não seria inteiramente desproporcionado chamar-lhe, agora, pelo menos, pequena tipografia.

Em Fevereiro de 1996 vem a lume o 1 número. Tão pequenino, olhado de hoje! Realizado por uma equipa de sete pessoas: Vasco Cunha, Director, Sónia Silva, então Coordenadora e hoje Sub-Directora, José Alberto, Coordenador, e agora responsável pela recolha de informação nas Unidades Orgânicas e nas Associações de Estudantes, com funções de secretariado e assessoria técnica, Maria da Conceição Pereira, Teresa Cunha e Rita Domingues e, na concepção gráfica, Paulo Medeiros.

Curiosamente, esta equipa diminuiu e é, no presente, constituída pelo seu Director, pela Sub-Directora, por apenas uma assessora técnica e pelos responsáveis pela recolha de informação e pela concepção gráfica.

Não é, obviamente, de somenos importância, salientar que qualquer destas pessoas acrescenta a estas outras funções, respectivamente, a de Director do Departamento Cultural e, simultaneamente, Vice-Presidente do ISPV, as de responsáveis pelas Relações Internacionais, pelas Relações Públicas, pelo Secretariado de todo o Departamento Cultural e pelo Design, concepção gráfica de todas as publicações e, em geral, pela imagem do ISPV.

Dez foram os autores que produziram esse primeiro número, composto por 55 páginas e que teve uma tiragem de 500 exemplares. O número que agora vem a público é assinado por 30 autores, constituído por 292 páginas e tem o dobro da tiragem anterior.

A partir do n4, em Outubro de 1996, remodela-se a apresentação da revista, designadamente a nível da capa, e ela cresce substancialmente, saindo com 183 páginas e, desde o seu n11, em Julho de 1998, apresenta-se no seu formato actual, quer quanto ao novo tamanho que, então, se adopta, quer quanto à capa e aspecto gráfico, quer quanto ao número de páginas que a constituem. O n. 6, de Março de 1997, marcou o início da tiragem actual da revista, 1000 exemplares.

No que diz respeito à divulgação e distribuição da revista, desde o início que é enviada, por correio, a todas as Escolas do Distrito de Viseu, exceptuando-se as do 1 ciclo, nas quais a distribuição é feita apenas nas escolas da cidade, a algumas entidades públicas do Distrito, a todos os Politécnicos e Escolas Superiores do país e a algumas bibliotecas, isto para além da distribuição interna e do seu envio a particulares que o solicitaram. Actualmente são cerca de setecentas (700) as entidades públicas e privadas, nacionais e internacionais, que recebem a revista.

Com todo este crescimento num tão curto espaço de tempo, algumas alterações são, no entanto, inevitáveis. Assim, e para já, torna-se necessário reforçar a estrutura da equipa dirigente da revista, acrescentando-a de pessoas que tornem possível assegurar a sua continuidade.

Por outro lado, dado que alguns autores e colaboradores da revista se disponibilizaram a apresentar e a manter, com algum carácter de permanência, um conjunto de artigos versando temas variados, que vão desde grandes nomes da educação, até figuras literárias da cidade de Viseu, passando por questões de Medicina do trabalho e, quiçá, outros, decidimos abrir, já neste número, uma nova secção que intitulámos Spectrum. Ela pretende ser, tão só, o espelho onde se reflectem várias visões do mundo ou de aspectos dele, o espectro de sensibilidades, posições e opiniões diversas sobre diversificados problemas, o espelho em que se reflectem pensamentos e ideias e o espelho que nos devolve a imagem reflectida por outros desses pensamentos e dessas ideias. Enfim, um espaço onde se reflecte, um espelho que reflecte, espelho esse onde, afinal, nos reflectimos.

De entre outras modificações, que eventualmente se podem perfilar, damos notícia, já aqui, de uma delas, a introduzir a médio ou mesmo a curto prazo. Não se trata, contudo, de uma modificação de fundo, pois a nossa intenção não é, pelo menos tanto quanto conseguimos perspectivar o futuro, propor alterações da estrutura que significativamente alterassem esta publicação, tal como a conhecemos e tal como ela se foi laboriosamente construindo, peça a peça, por todos quantos participaram nessa arquitectura. Pelo contrário, é nosso propósito continuar a abrir o trilho que, ao longo deste tempo, fomos desbravando e percorrendo, mantendo e desenvolvendo, deste modo, a identidade que nos permite reconhecê-la e que fez, e faz, a revista o que ela é. Sendo assim, essa alteração, que acima anunciávamos, em rigor mais não é do que uma remodelação. Com efeito, pretendemos reorganizar a secção Educação, Ciência e Tecnologia, secção nuclear no corpo da revista e que existe desde o seu aparecimento, mantendo-a com o mesmo título, mas, para além de artigos esparsos sobre variados campos científicos e produzidos, como até agora, na maior parte das vezes, por áreas científicas específicas, propomo-nos, alternativamente, construir uma secção temática, em que a aglutinação por um tema ou um problema, simultaneamente, permita dar unidade ao conjunto de artigos científicos que aí se publicam, bem como, igualmente, possibilite uma visão multidisciplinar e interdisciplinar do tema ou do problema em questão.

Não quereríamos acabar esta conversa com os nossos leitores, todos os nossos leitores sem excepção, e não apenas os intra institucionais, mas, sobretudo, os de fora da instituição, sem lhes lançar, mais uma vez, um desafio e um repto: o desafio de escreverem e de nos mandarem os textos para publicação, o repto de se decidirem a colaborar connosco. (O nosso E mail é: millenium@ipv.pt). É que só assim poderemos crescer e formar uma revista de personalidade viva, forte e vigorosa, mas versátil e aberta. É que só assim poderemos cumprir, no seu todo e de modo integral, o nosso projecto e o nosso destino, continuar a dar sentido à nossa existência, pois foi por isso e é para isso que existimos.

 

M.J.F.

SUMÁRIO