O PRIMEIRO MINISTRO DA GUINÉ-BISSAU NA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

 

Carlos Correia, Primeiro-Ministro da República da Guiné-Bissau, deslocou-se no passado dia 17 de Fevereiro a Viseu, tendo visitado as instalações da Escola Superior de Tecnologia.

Esta deslocação realizou-se a título particular, embora o primeiro Ministro se encontrasse em Portugal a convite de António Guterres.

Após a visita às instalações da EST, e em declarações à Rádio Politécnico, o governante guineense referiu-se à EST, classificando-a de "uma grande obra" que poderá eventualmente contribuir para o avanço do "quadro da cooperação entre os dois países no âmbito da formação", uma vez que os diversos cursos ministrados na EST "servem os vários sectores da vida de um país em vias de desenvolvimento".

O primeiro Ministro da Guiné-Bissau destacou a circunstância de o seu país ser um "país verde" mostrando, desta forma, um interesse especial pelo curso de Engenharia de Madeiras. Mostrou igualmente interesse pela possibilidade de poderem fazer-se na instituição estágios no âmbito da Administração Pública, um sector em reformulação na Guiné - Bissau.

João Pedro de Barros, presidente do I.S.P.V., que convidou para a recepção e visita do dirigente guineense à Escola Superior de Tecnologia diversas personalidades representativas dos sectores empresariais, autárquicos e escolares, colocou o I.S.P.V. "à disposição" da Guiné-Bissau, nomeadamente para a assinatura de eventuais protocolos, como já sucedeu com as Repúblicas de Cabo Verde e de S. Tomé e Príncipe.

· ·

DELEGAÇÃO DE LUBLIN VISITA O ISPV

No quadro da geminação da edilidade viseense com a sua congénere de Lublin, na Polónia, e visando um futuro intercâmbio de estudantes do ensino superior, deslocou-se no dia 12 de Fevereiro último ao Instituto Superior Politécnico de Viseu uma comitiva constituída por cinco individualidades polacas.

Chefiada pelo presidente da Assembleia Municipal, Edmund Dabrowski, esta comitiva integrava o Mayor de Lublin, Pawel Brylowski, e a vereadora da Câmara Municipal de Viseu, Maria do Céu Lopes, responsável pelo pelouro da Educação, e em representação do presidente da C.M.V..

A visita iniciou-se pelos Serviços Centrais do ISPV, prosseguiu na ESE e concluiu-se no Campus de Repeses, onde João Pedro Barros, presidente do Instituto, recebeu a comitiva, acompanhando-a na visita às instalações da ESTV.

Segundo os membros da comitiva, esta visita à cidade de Viseu e a alguns estabelecimentos de ensino superior serviu como "aprendizagem" para uma futura adesão da Polónia à União Europeia dos 25.

Lublin, com cerca de 400.000 habitantes, tem uma forte implantação do ensino superior - mais de 50.000 estudantes distribuídos por diversas universidades.

· · ·

Programa SOCRATES

Docente Grego em Missão de Ensino no ISPV

Ao abrigo do programa comunitário SOCRATES/Erasmus, e no âmbito da cooperação estabelecida entre o Instituto Superior Politécnico de Viseu e o Instituto Politécnico de Messolonghi (Grécia), a Escola Superior de Tecnologia de Viseu (ESTV) acolheu, de 27 de Março a 3 de Abril, Dionyssis Kafoussias, Vice-Presidente e docente da instituição grega referida, vindo em missão de ensino de curta duração para a área de Gestão.

Nas comunicações por ele apresentadas, dirigidas aos alunos do primeiro ano do curso de Gestão da ESTV, Dionyssis Kafoussias tratou o tema "Disparidades Económicas e Sociais na Grécia". Participou, ainda, em reuniões de trabalho, com representantes do Departamento de Gestão da ESTV, destinadas à preparação das actividades lectivas concretizadas, assim como à discussão de aspectos vários relacionados com a cooperação existente e prevista.

Em paralelo, e na qualidade de Vice-Presidente, contactou com representantes da Escola Superior Agrária de Viseu, com a qual o Politécnico de Messolonghi coopera na área da mobilidade de estudantes, tendo sido discutidos os resultados dos fluxos do presente ano lectivo e abordados os procedimentos a aplicar futuramente.

A vinda de Dionyssis Kafoussias, no contexto do actual quadro de cooperação internacional do ISPV, representa mais um passo nos esforços de internacionalização desta instituição que começa agora, em paralelo com a mobilidade de estudantes, a apostar fortemente no intercâmbio de docentes, uma das actividades com maior potencialidade para afectar estruturalmente as instituições envolvidas.

· · · ·

Programa SÓCRATES/ARION

Visitas de Estudo para Responsáveis de Educação

Candidaturas 1998/99

 

O programa de visitas de estudo ARION, integrado na acção 3 do sector "Intercâmbio de Informações e Experiências sobre Políticas e Sistemas Educativos" do programa Comunitário SÓCRATES, tem como principais objectivos:

"... permitir às pessoas com responsabilidade em matéria de educação aos níveis local e regional (e, em alguns casos, nacional) rever e alterar o seu trabalho à luz da experiência directa de estruturas e reformas educativas noutros Estados Membros". (*)

e

"... aumentar a quantidade de informação fidedigna, seleccionada e actualizada sobre os progressos alcançados na Comunidade em matéria de educação..." (*)

Fundamentalmente, através de ARION pretende-se contribuir para o aumento da consciência da realidade europeia no domínio da educação.

Estas visitas de estudo multilaterais têm uma duração de uma semana e realizam-se entre Setembro de 1998 e Junho de 1999 nos Estados Membros da União Europeia e países europeus elegíveis. Incidem sobre 24 temas considerados de interesse no quadro comunitário e ao nível nacional, tendo sido organizadas, para 1998/99, de acordo com o seguinte quadro:

1. OS SISTEMAS EDUCATIVOS E SEUS VALORES:

- Estudo geral dos sistemas educativos nos níveis primários e secundário (estrutura, métodos), bem como a sua apreciação, incluindo a certificação e avaliação de alunos;

- Medidas de prevenção do insucesso escolar (incluindo a luta contra o analfabetismo);

- Qualidade na educação.

2. PROTAGONISTAS DA EDUCAÇÃO: ALUNOS, PROFESSORES, PAIS:

- Integração de crianças deficientes no sistema escolar normal;

- Igualdade de oportunidades de educação entre rapazes e raparigas;

- Educação de filhos de trabalhadores migrantes e ciganos;

- A profissão de professor;

- O papel dos pais e a sua participação na vida escolar;

- Os responsáveis pelas escolas;

- Os alunos;

- Educação de adultos;

- Violência e protecção das crianças.

3. A EDUCAÇÃO E OS SEUS INSTRUMENTOS:

- Introdução das novas tecnologias na educação.

4. A ESCOLA E SEU AMBIENTE:

- A escola;

- Introdução da dimensão europeia;

- Educação sanitária;

- Educação ambiental.

5. OUTRAS MEDIDAS:

- Ensino de línguas;

- Estatísticas da educação".(*)

A Comissão Europeia define anualmente o número de bolseiros por Estado Membro/País, atribuindo uma subvenção para a participação nessas mesmas visitas.

A selecção dos bolseiros é realizada ao nível nacional, competindo à Agência Nacional SOCRATES o envio da lista de candidatos efectivos e suplentes à Comissão Europeia.

Em princípio, o valor global da bolsa será de 850 ECUS, no mínimo, e não ultrapassará os 1.000 ECUS.

Em 1998/99 serão seleccionados 49 candidatos portugueses que deverão estar em posição de actuar como multiplicadores (funções de direcção, avaliação, formação e orientação) e terem domínio (ou competência suficiente) da língua de trabalho da visita escolhida.

Todas as candidaturas deverão dar entrada no Gabinete de Assuntos Europeus e Relações Internacionais até 30 de Abril.

Os temas, locais, datas, objectivos e línguas de trabalho das visitas para 1998/99 encontram-se reunidos num catálogo provisório, disponível para consulta no Departamento Cultural do Instituto Superior Politécnico de Viseu.

(*) Pacote Informativo ARION - 1998 - Comissão Europeia - DGXXII.

SUMÁRIO