O PROGRAMA SÓCRATES/ERASMUS

NO

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU

 

Mobilidade de Estudantes e Docentes

 

Datam de 1993 as primeiras experiências do Instituto Superior Politécnico de Viseu (ISPV) no âmbito do programa ERASMUS. Inicialmente limitados a três instituições de ensino superior, localizadas no Reino Unido, França e Noruega, hoje os intercâmbios encontram-se substancialmente alargados e diversificados, abrangendo um total de nove instituições em Espanha, França, Reino Unido, Noruega e Grécia, e incluindo áreas científicas das três Escolas que compõem o ISPV.

Em 1997/98, esta instituição enviou 9 alunos para as instituições referidas, tendo recebido 2 do "Stord College of Education" (Noruega). Neste mesmo ano foi introduzida a mobilidade de docentes. Da Escola Superior de Tecnologia de Viseu participaram Luís Fernandes e Ana Branca, ambos pertencentes ao Departamento de Gestão, que realizaram missões de ensino de curta duração (1 semana) no Instituto Politécnico de Messolonghi (Grécia), no âmbito das Finanças e da Gestão de Recursos Humanos, respectivamente. Para além das actividades lectivas propriamente ditas, os referidos docentes participaram, ainda, em reuniões de trabalho onde estiveram presentes representantes da instituição anfitriã (docentes e funcionários), assim como empresários da região, tendo-se proporcionado um enriquecedor confronto das realidades dos dois países no domínio científico em questão. Desta mesma instituição, o ISPV recebeu o docente Dionyssis Kafoussias, que durante uma semana foi integrado na actividade lectiva do Departamento de Gestão, tendo feito uma apresentação da realidade Grega, no domínio do desenvolvimento regional, aos alunos portugueses. Em representação da Escola Superior de Educação de Viseu, Isabel Ayres de Matos, docente do Departamento de Português, realizou também uma missão de ensino de curta duração no Instituto de Formação de Professores da Academia de Poitiers (França), tendo a mesma incidido, fundamentalmente no sistema de ensino português.

Na mesma escola foi recebido Bernard Harmegnies, director do Instituto de Linguística da Universidade de Mons-Hainaut (Bélgica), que apresentou uma conferência subordinada ao tema "Le Son, le Sens, la Pádagogie".

Aprovada que está a candidatura do ISPV a um Contrato Institucional Sócrates/Erasmus para o ano lectivo de 1998/99, estão já em curso as primeiras actividades incluídas no programa de trabalho. Assim, e no que diz respeito à mobilidade de estudantes, encontram-se já 4 alunos na Grécia (na área das ciências agrárias), 2 no Reino Unido, 2 em França e 3 na Noruega (os 7 na área das ciências da educação), 5 em Espanha (na área da comunicação social), estando prevista a partida de mais 2 para França (área de Gestão) e 2 para Espanha (área de EngŠ. Mecânica) no segundo semestre do presente ano lectivo. No total são 20 estudantes do ISPV a realizar parte dos seus estudos no estrangeiro ao abrigo deste programa comunitário, o que representa um aumento significativo dos fluxos no espaço de apenas 1 ano.

Notável foi, também, o aumento do nš. de alunos recebidos no presente ano lectivo. De momento, e com a possibilidade de aumentar, o nš.de estudantes estrangeiros é 7, provenientes de Espanha, França, Grécia e Noruega. Os mesmos encontram-se a frequentar diversas áreas científicas da Escola Superior de Educação e da Escola Superior de Tecnologia.

Embora esteja prevista também a mobilidade de docentes, que, em princípio, deverá ser em nš. de3/4, a preparação da mesma encontra-se ainda em curso, não se estando ainda disponível a informação relativa às áreas científicas / instituições seleccionadas.

A mobilidade de estudantes e docentes tem sido, e continuará a ser, uma das linhas de força da actividade desta instituição ao nível da cooperação internacional. O ISPV acredita nas potencialidades destas formas de cooperação na promoção da abertura institucional e na busca conjunta do conhecimento e desenvolvimento, num mundo crescentemente interdependente, onde qualquer instituição de ensino superior que se paute por critérios de qualidade é necessariamente internacional.

SUMÁRIO