A NOITE INESPERADA

JOÃO ANDRÉ SOARES*

 

Era noite... O nosso amigo Rafael não conseguia dormir. Estava à janela quando de repente um clarão apareceu na escuridão. Espantado, recuou alguns passos. O clarão começava a desaparecer.

Rafael estava assustado mas a curiosidade venceu. Vestiu-se rapidamente e seguiu o clarão por entre bosques, montanhas, vales...

Acordou numa gruta... A magia pairava no ar... O seu coração parecia uma locomotiva... Decidiu explorar a gruta mais a fundo.

Depois de muito caminhar, encontrou dois caminhos... Apareceu o clarão e disse-lhe:

- Para encontrares o mundo sagrado terás que fazer a opção certa.

- No caminho da direita a luz abunda; no caminho da esquerda não há um fio de luz.

- Ah!... Ia-me esquecendo... Não julgues os caminhos pelas aparências, disse o clarão.

Depois de muito pensar concluí:

- É claro que o caminho da direita é o mais evidente, mas não devo julgar os caminhos pelas aparências. E lá seguiu pelo caminho da esquerda. Passado algum tempo chegou a um lugar maravilhoso. Havia fadas por todo o lado. Ali não havia impurezas dentro dos corações... Era um paraíso... Jurou nada dizer.

Quando deu por si estava na sua cama... Foi só um sonho ou foi realidade?

Este segredo permanece guardado com o Rafael na escuridão da noite da sua NOITE INESPERADA...

 

* Escola E.B. 2,3 - Grão Vasco, Viseu - Idade: 12 anos.

SUMÁRIO