PENSAR O ENSINO SUPERIOR - UM CONTRIBUTO *

 

JOÃO PEDRO DE BARROS **

CRISTINA AMARO DA COSTA ***

MARIA DE FÁTIMA PINHO ****

A par da multiplicidade de factores que estão na origem da crise em que se encontra o Ensino Superior, podem apontar-se como fundamentais alguns paradoxos: a pressão simultânea da massificação e as exigências de qualidade, a necessidade de enraizamento local e o seu perfil universalista, a falta de definição de uma identidade, que resulta da própria dinâmica do sistema (Carrilho, 1993; Santos, 1989).

A sugestão de que as instituições de ensino superior e os seus diversos intervenientes devem deixar de ter uma atitude reactiva, para procurarem encontrar um papel proactivo, capaz de criar a sua própria reforma, de se constituirem como sede privilegiada de saberes de excelência e de influência cultural, de contribuirem para a construção da cidadania e da liberdade não é inédita.

O exercício é ser capaz de transformar as instituições de ensino superior em Escolas com a capacidade para formar indivíduos que consigam "aprender e apreender", mas sobretudo "empreender", desafiar as regras, antecipar, simplificar, inovar. Nesta nova sociedade, a que chamam de Pós-Moderna, o ensino superior politécnico tem um papel fundamental, pela sua vocação para preparar técnicos com qualificações que garantem a sua rápida inserção na vida activa.

 

* Síntese de uma comunicação com o mesmo título apresentada em Lisboa no 3 Congresso do Ensino Superior Politécnico.

** Presidente do ISPV.

*** Equiparada a Assistente do Segundo Triénio da Escola Superior Agrária

**** Equiparada a Assistente do Primeiro Triénio da Escola Superior Agrária

SUMÁRIO