VULTOS NOTÁVEIS DO TERMO DE VISEU

Gaspar Barreiros nasceu em Viseu, em data desconhecida, tendo morrido em 1574. Filho de Rui Barreiros de Seixas e de Maria de Barros, irmã do cronista das Décadas, João de Barros, foi cónego das Sés de Viseu e de Évora e, mais tarde, religioso da ordem de S. Francisco, com o nome de Frei Francisco da Madre de Deus.

Frequentou a velha e reputada Universidade de Salamanca, onde cursou Retórica, Teologia e Aritmética.

Anos depois o infante cardeal D. Henrique, a quem haveria de servir durante 25 anos, cinco dos quais, entre 1543 e 1548, em Roma, fê-lo fidalgo da sua casa. Mereceu ainda os favores da Rainha D. Catarina, esposa de D. João III, e das infantas D. Maria e D. Isabel.

Quando D. Henrique atingiu a dignidade de Cardeal, foi enviado pelo Purpurado a Roma a agradecer ao Papa aquela mercê, aí permanecendo até 1548, com o cargo de agente de negócios de Portugal, tendo privado com os Cardeais Pedro Bembo e Jacobo Sadoleto. Regressado a Portugal recebeu um canonicato na Sé de Évora, em 1549, sendo também inquisidor.

Quando o notável pregador Francisco de Borja pregou em Évora, Gaspar Barreiros deixou-se impressionar de tal maneira pelas suas palavras que decidiu acompanhá-lo ao Porto, com a intenção de professar na Companhia de Jesus, o que efectivamente aconteceu, em Roma, em 1561. Alguns meses mais tarde solicitou ao Papa Pio IV autorização para abandonar os Jesuítas e professar na Ordem de S. Francisco. Obtida a autorização de Pio IV, Gaspar Barreiros viria a vestir o hábito de S. Francisco no Convento de Araceli, em Roma, em 30.04.1562.

Em 1564 regressou a Portugal a pedido do Cardeal D. Henrique e de D. Sebastião tendo lido Teologia Moral nos Conventos de Alenquer e de Santarém.

Viveu depois em Viseu, Lamego e Ferreirim até 1574, altura em que foi chamado para continuar as Décadas que seu tio, João de Barros, deixara incompletas. Não se sentindo com forças para tamanho empreendimento retirou-se para o Convento de Orgens, onde viria a falecer.

Possuidor de uma vastíssima cultura, Gaspar Barreiros foi dos grandes vultos do séc. XVI, tendo-nos deixado uma vastíssima obra literária de grande erudição e sabor clássico que legou, manuscrita, a seu irmão Lopo de Barros que, em parte, publicou.

Foi considerado, juntamente com outros eruditos, dos melhores geógrafos do seu tempo, como afirmou o Professor Luiz de Pina, no Capítulo IV - Ciência - na História de Portugal, de Damião Peres, Vol. VI.

Com efeito, foi na Geografia e na Corografia que mais se distinguiu este insigne viseense, tendo escrito, a pedido de seu tio João de Barros a obra Chorographia de alguns lugares que stam em hum caminho, que fez Gaspar Barreiros o ano de MDXXXXVI, começando em Bada na cidade de Badajoz em Castella, te á de Milam em Itália, Coimbra, 1561.

Com este trabalho o autor das Décadas pretendia aproveitar algumas informações para a composição da sua "Geografia", obra que, lamentavelmente, se perdeu.

A.S.S.

Fontes:

Peres, Damião; História de Portugal

Serrão, Joel; Dicionário da História de Portugal

Enciclopédia Portuguesa e Brasileira

Enciclopédia Verbo

SUMÁRIO